terça-feira, 25 de Março de 2008

Memórias

Dia 7 de Setembro. Véspera da festa da Nossa Senhora da Piedade, padroeira de Odemira. Dois ratos de praia perdem a camioneta das 20H no Almograve e correm até ao Cruzamento. Pelo meio apanham boleia de um carro que ultrapassa a camioneta. Chegam a Odemira às 21H, despidos, descalços e pretos como dois tissões ( desde o fim de Maio que éramos presença assídua nos areais e rochedos).
O pessoal todo aprumado rumava à festa, do outro lado da ponte. Algumas roupas, as dos mais velhos, cheiravam a naftalina, camisas bem engomadas, vestidos de corte ultrapassado.
Eu e tu, apeamos junto ao café " Esperança"e subimos a rua Sousa Prado com destino à Rua da Fabrica. Os pés embrenhados em areia, nem após tão longa distancia se viram livres desse elemento sempre tão característico num rato que é rato...
À minha espera estava o meu querido Avô ( o primeiro Rato de Praia do Almograve e meu grande inspirador) com um " Alguidar" de salada de bacalhau com pimentos e batatas que deveria durar para dois dias e que eu fiz o favor de comer de uma assentada ( Avô sei que a mim nada me disseste mas ficaste "lixado" por teres que voltar a cozinhar no dia seguinte. Era do ferro dizias tu, com braços de 45cm, era natural que a comida para dois dias durasse apenas para uma refeição.
Sei que adoravas a festa da Nossa Senhora e o meu atraso mexeu com os teus planos. Mas depois sei que te compensei. Tomei banho, vesti-me e fui ter contigo. Jogamos à "Quermesse" ( só nos saiu prémios "barraca" mas que depressa valeram milhões ao reparar no brilho dos teus olhos).
No outro dia era feriado municipal. Dia de ficar em casa após uma noite de Festa... Mas ... Almograve és mais forte e mesmo antes das badaladas do meio dia já estava à boleia do outro lado da ponte...
Ah...antes que me esqueça, quando cheguei à praia, já lá estavas... Correiazinho.
Ser rato de praia também é: não esquecer o passado... Recordar as vivências que nos fazem sorrir sempre que algo se atravessa no nosso caminho...
Abraço a todos.

9 comentários:

BMatos disse...

O Correia chegava sempre atrasado à camioneta. Impressionante!!!
O condutor parava muitas vezes na recta junto ao rio. A isso não era obrigado, mas reconhecia a necessidade de comunhão entre os ratos, naquele banco de trás.
No regresso a casa o sorriso em nossas faces era sinónimo de pura felicidade, fácil de identificar, fácil de distinguir o rato salgadiço e tissão de sol do normal veraneante ou apreciador da praia.
As memórias são muitas, felizmente que estamos cá para recordar, viver, escrever mais experiências no infinito areal da memória. Aqui no nosso canto, no nosso refugio aberto ao mundo.

Rato de Praia, assim sou desde o dia em que nasci.

Enjoy

MR disse...

O correia é um verdadeiro rato, que ás vezes conseguia vir de boleia com o ppl mesmo sem lhe pedir boleia, era o primeiro a entrar no carro, note-se que não era dele, era uma boleia heheheheheh.

Anónimo disse...

Irmãos de duna, companheiros de tantas tardes de sol escaldante, cumplices de tantas gargalhadas debaixo daqueles guarda-sois desgastados... Fogo confesso que a ler os vossos textos e o vossos comentários, senti-me completamente nostálgico, invadido por uma saudade infinita e por memórias que jamais poderão ser apagadas. Incrivel como algumas destas histórias já têm + de 10 anos, o que significa que não estamos a ficar mais novos, mas mais importante que tudo, significa que sobrevivemos para recordar, e o tempo a distância não diminuiram a enorme e solida amizade que construimos ao longo deste anos.

Uma vez ratos de praia, ratos para sempre!!!

Ass. Luis Correia

BMatos disse...

Esses braços de 45 cm ainda sem mantêm!!! E para comer continuas uma autentica besta.

Enjoy

NMatos disse...

Tou mais magro pá. Já la vai o tempo em que quando mergulhava da "rocha do Juca" ninguem sabia ao certo destiguir- me da rocha:-)

Anónimo disse...

Antes de mais quero dar os parabéns ao criadores deste espaço.
Se me permitem também gostaria de compartilhar alguns momentos nostálgicos convosco.
Memórias são tantas.
Mas há uma que dificilmente irei esquecer. O famoso dia em que uma veraneante solicitou a nossa saída da praia devido à linguagem "mais pesada" proferida por vários adolescentes que ano após ano insistiam em montar os seu “estaminé” de praia na duna do meio. O curioso é que nesse mesmo dia até foram os primeiros a chegar à praia, transportados pela "carreira" das 8h da matina.
Obviamente que o início da viagem foi marcado pelo atraso do Correia que mais uma vez teve de apanhar a camioneta em plena “recta da BP”.
Como estamos em época de Páscoa não se lembram do famoso acampamento “Páscoa 1996”, em pleno pinhal entre a Foz e a praia do Almograve?
Grandes histórias…
Rui Marreiros

BMatos disse...

Bem...O Camping de 96 é nostálgico. Puramente selvagem.Puros ratos de praia.
Momentos inesquecíveis!!!
E essa senhora que queria "meter a mão na cara da malta." :)
Como diria o meu Avô, "meta a mão no cu e tenha vergonha homem!!!"

Enjoy

Anónimo disse...

Boas pessoal!!!
Por falar em nostalgia, nao poderei deixar de referir o "celebre" acampamento "clandestino"...FANTASTICO!!!
Começando nas surfadas pelo raiar do dia, os famosos jantares(o tal arroz, que nem os cães lhe tocaram), as idas ao pao à Longueira, as bebedeiras no bar do "serginho" e à volta da fogueira, tendas que ficavam completamente destruidas atraves de lutas amigaveis...portas de casa destruidas(e tu sabes porquê?!!)...acabando no magnifico aterro sanitario.....

Pareciam autenticos Indios...

Saudações de Ratos

Djubi

Anónimo disse...

Bom dia!!

Meu nome e Flavio , sou aqui de Belo Horizonte proprietario de uma loja e moda Surf wear e street wear... tenho interesse em manter contato com voces, referente a sua amrca RATO DE PRAIA.

meu telefone comercial

31-3393 3953 flavio

email- comercialvibe@hotmail.com